Blattodea mais conhecida como “Barata”

Hoje resolvi entrar em um assunto que a maioria das mulheres detesta. Barata.

Se você é homem sabe como é chato estar fazendo algo quando toma aquele susto que sua esposa, amiga, vizinha, chegada, etc… Solta aquele grito, dando a falsa impressão de que ela foi atingida por uma bala, ou atacada por um assassino que entrou sorrateiro na sua casa. Não esse foi apenas aquele pensamento. Quando se chega no local trata-se apenas de uma simples barata. Então pensando nisso vou postar agora a ficha do ser freqüentador das zonas mais sombrias de nossas casas.

Blattaria ou Blattodea é uma ordem de insetos cujos representantes são popularmente conhecidos como baratas. É um grupo cosmopolita, sendo que algumas espécies (menos de 1%) são consideradas como sinantrópicas. Dentre os principais problemas que as baratas podem ocasionar aos seres humanos está a atuação delas como vetores mecânicos de diversos patógenos (bactériasfungosprotozoáriosvermesvírus).

Especies

Origem

registro fóssil mais antigo de uma barata é datado do período Siluriano, há aproximadamente 400 milhões deanos. Comparando as baratas de hoje com as do passado elas mudaram muito pouco, permanecendo como insetos não especializados. As mudanças ocorreram: na genitália da fêmea, com a redução do ovipositor, não sendo mais visível externamente; nos ovos, que passaram a ser colocados no interior de uma ooteca em vez de individualmente (em torno de 60 milhões de anos atrás), evitando a dessecação; e nas asas, que deixaram de ter como função principal o vôo e passaram a ser de proteção do abdome, com a redução das asas em alguns casos.

Habitat e hábitos

Gostam de lugares quentes e úmidos, sendo encontradas na:serrapilheira, sob pedras, cascas de arvores, em ninhos de himenópterosisópteros, no interior das edificações humanas (principalmente na cozinha), e na rede de esgoto. Há algumas espécies semi-aquáticas e aquáticas (Epilampra – Blaberidae), e outras que vivem em desertoscavernas.

A maioria das espécies é solitária, com algumas espécies apresentando habito gregário (exemplificadas pelas espécies domésticas), sendo Cryptocercus punctulatus considerada como uma espécie subsocial, que vive em árvores e como os cupins possuem simbiontes intestinais. Em geral apresentam hábito noturno (principalmente as de ambiente urbano), sendo que neste período procuram por alimento e parceiros(as) para o acasalamento, e realizam oviposição e dispersão. Durante o período diurno permanecem escondidas. Quando as baratas urbanas aparecem durante o período diurno, está ocorrendo: uma alta densidade populacional (para cada barata encontrada, podem haver 1.000 escondidas) e/ou a falta de alimentoágua. As espécies diurnas são freqüentemente coloridas e arborícolas. As baratas gastam 75% de seu tempo descansando, no qual assumem uma posição característica: antenas voltadas para frente com um ângulo entre elas de 60º e as pernas mantém o corpo rente à superfície.

Alimentação

Muitas espécies silvestres participam da cadeia alimentar como saprófagos, por se alimentarem de material animal e vegetal morto, carnívoros e herbívoros. As espécies do gênero Panesthia (Blaberidae) e Cryptocercus (Cryptocercidae) possuem bactériasprotozoários em seu tubo digestivo, que auxiliam na digestão da celulose. Mas a maioria das espécies é onívora, como por exemplo, as espécies existentes em ambientes urbanos. As baratas urbanas são capazes de viver três dias sem água e dois meses sem comida. Mas várias baratas conseguem sobreviver cerca de um mês sem comida e sem água e aproximadamente dois meses só com a água.

Reprodução

Em geral, o acasalamento entre as baratas se inicia com os machos sendo atraídos por feromônios sexuais emitidos pelas fêmeas. Quando há o encontro, o casal inicia um contato físico por meio de uma intensa antenação. O macho eleva as asas, expondo uma glândula localizada na superfície dorsal do abdome, que secreta uma substância da qual a fêmea se alimenta. Enquanto a fêmea sobe no macho para se alimentar da substância, por baixo o macho tenta introduzir a sua genitália na da fêmea, para iniciar a cópula. Quando ambos estão ligados pelas genitálias, o macho vira-se 180º, e assumem a posição conhecida como “end-to-end”. A cópula pode durar uma hora ou mais, e durante este processo o macho transfere o espermatóforo para a fêmea. Os espermatozóides são armazenados na espermateca, ficando ativos por um longo período. Não apenas estímulos químicos estão envolvidos no acasalamento, mas também sonoros como na espécie Nauphoeta cinerea, cujos machos estridulam durante o ato, emitindo sons de 60dB. Os machos e as fêmeas podem copular uma ou mais vezes.

Nas baratas podem ser encontrados três tipos de oviposição: Oviparidade (o mais comum entre os insetos, com a formação de ovos que se desenvolverão externamente à fêmea, contidos ou não na ooteca. Exemplos: P. americanaB. orientalisB. germanica), Ovovivipariedade (os ovos ou ooteca permanecem dentro da fêmea. Exemplo: Blaberus) e Viviparidade (a ooteca permanece dentro da fêmea, sendo a sua formação incompleta, permitindo a troca de nutrientes com a fêmea durante o desenvolvimento embrionário. Exemplo: Diploptera punctata).

Inimigos naturais

Existem muitos inimigos naturais (predadores e parasitas) que atacam as baratas, como por exemplo, osgas(lagartixas), bactérias, vermes, fungos, protozoários, artrópodes (ácaros, aranhas, besouros, escorpiões, hemípteros e himenópteros) e vertebrados. Dentre os himenópteros, seis famílias se desenvolvem em ovos (exemplo: Evaniidae, Encyrtidae, Chalcididae e Eulophidae), e na família Sphecidae, principalmente as ninfas de baratas são paralisadas e colocadas no ninho destas vespas para servirem como alimento para as larvas

 

As baratas podem ocasionar os seguintes problemas: atuar como vetores mecânicos (vírus, fungos, bactérias e protozoários) e biológicos (ser hospedeiro intermediário de vermes); reações alérgicas (contato com as fezes e exúvias); inutilizar alimentos (deixam odor repugnante); roer/sujar roupas e livros; ser uma praga agrícola de relativa importância (roer raízes e atacar produtos armazenados); e psicológicos, por causarem sensação de asco e medo.

Importância

Apesar deste lado negativo, as baratas para muitos povos, actualmente e no passado, têm um lugar de destaque no folclore, encontrando se relatos em modinhas, superstições, jogos infantis, medicina popular, provérbios, adivinhações, ditados e na alimentação. Na medicina popular existem vários relatos de algumas espécies, principalmente Blatta orientalis, em serem usadas para curar várias doenças, como por exemplo: alcoolismo, asma, bronquite, cólicas intestinais, dores de cabeça e ouvido, furúnculos, gripe, entre outras. Alguns pesquisadores, em sua maioria russos e alemães, nos séculos 19 e 20 (a primeira metade) fizeram vários estudos para comprovar o efeito terapêutico das baratas, e em muitos casos havia. Na alimentação humana, para muitos povos orientais as baratas fazem parte de sua dieta, sendo comidas cruas ou cozidas.[carece de fontes] No Brasil, os índios Chocleng (Santa Catarina) apreciavam as baratas.[carece de fontes]

Além disso, as baratas são utilizadas como material didáctico em aulas de entomologia (anatomia), manutenção de criações de outros insectos, e como iscas para pescadores. Em ecossistemas naturais as baratas são importantes como fonte de alimento de diversas espécies de animais, como o loss, e o calixto, e também por actuarem na ciclagem dos nutrientes (saprófagos).

Bibliografia

  • BORROR, D.J.; TRIPLEHORN, C.A.; JOHNSON, N.F. An introduction to the study of insects. 6. ed. New York: Saunders College Publishing, 1992. 875p.
  • BUZZI, Z. J. Entomologia didática. 4. ed. Curitiba: Editora UFPR, 2002. 347p.
  • CORNWELL, P.B. The cockroach: A laboratory insect and an industrial pest (Volume 1). London: Hutchinson of London, 1968. 391p.
  • CORNWELL, P.B. The cockroach: Insecticides and cockroach control (Volume 2). London: Associated Business Programmes, 1976. 556p.
  • DALY, H.V.; DOYEN, J.T.; PURCELL, A.H. Introduction to insect biology and diversity. Oxford: Oxford University Press, 1998. 680p.
  • DENEUBOURG, J.; HALLOY, J.; THERAULAZ, G.; SIEGWART, R.; MARTINOLI, A.; *RIVAULT, C. Leurre: Artificial live control in mixed societies. Information Society Technologies, European Community. URL http://leurre.ulb.ac.be/index2.html
  • GALLO, D.; NAKANO, O.; SILVEIRA NETO, S.; LIMA CARVALHO, R.P.; BAPTISTA, G.C.; BERTI FILHO, E.; PARRA, J.R.P.; ZUCCHI, R.A.; ALVES, S.B.; VENDRAMIM, J.D.; MARCHINI, L.C.; LOPES, J.R.S.; OMOTO, C. Entomologia Agrícola. Piracicaba: FEALQ, 2002. 920p.
  • LENKO, K.; PAPAVERO, N. Insetos no folclore. São Paulo: Editora Plêiade, 1996. 467p.
  • MARICONI, F.A.M. Insetos e outros invasores de residências. Piracicaba: FEALQ, 1999. 460p.
  • NOLASCO, S. A vida secreta das baratas. Vetores & Pragas, v. 2, n. 5, p. 14-15, 1999.
  • ROBINSON, W.H. Urban entomology: Insect and mite pests in the human environment. London: Chapman & Hall, 1996. 430p.
  • SALMERON, E. Blattella germanica: Problemática da resistência a inseticidas. Vetores & Pragas, v. 2, n. 6, p. 17-18, 2000.

Créditos a Wikipédia

Anúncios
por hansclamp Postado em Agonia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s