Viagem no Tempo – Será possível? E porque não temos viajantes do tempo entre nós?

Time

Um primeiro ponto que devemos abordar quando tocamos neste assunto é o conceito de “espaço-tempo”, definida por Albert Einstein na Teoria Geral da Relatividade (não vou abordar totalmente este assunto neste post, pois não é seu objetivo, mas pretendo falar sobre ele mais tarde). Basicamente, espaço-tempo pode ser dito como uma estrutura que combina as três dimensões do espaço (largura, altura e profundidade – demonstradas na matemática como sendo os eixos x, y e z) com a dimensão única de tempo, apresentando a existência de um universo quadri-dimensional.

Após se dedicar ao problema da gravidade – como dois corpos, como a terra e a lua, conseguem se atrair a uma distância tão grande no espaço vazio –, Einstein chegou a conclusão que o grande mistério da gravidade estava na própria natureza do espaço-tempo, que apresentava uma estrutura muito mais flexível que o previsto.

Para facilitar a visão sobre este conceito, podemos compará-lo a um trampolim. Quando inserimos nele um objeto, como uma esfera, com o peso maior, a consequência lógica será o trampolim se esticar em direção ao chão pela atração gravitacional, gerando uma cavidade. Ao lançarmos uma outra esfera de peso na cavidade a uma determinada velocidade, ela irá se mover ao redor da esfera maior, percebendo assim que este era o verdadeiro funcionamento da gravidade: ela é a deformação causada no espaço tempo pelos elementos nele, ou a forma do espaço tempo.

BTTF
Agora chegamos ao ponto em que queríamos chegar: como viajar no tempo utilizando a gravidade? A resposta é simples: buracos-negros. No centro de nossa galáxia existe um buraco-negro super-massivo, contendo a massa de 4 milhões de sóis pressionados em um único ponto por sua própria gravidade. Quanto mais próximo você se encontrar dele, maior será a atração gravitacional, aproximando-se mais nem mesmo a luz conseguirá escapar, ficando presa em uma esfera de 50 milhões de milhas (cerca de 80467200 Km) de diâmetro. Um buraco negro, como este, produz um efeito extraordinário no “tempo”, diminuindo a sua velocidade, fazendo dele uma máquina do tempo natural. Obviamente, encontraríamos uma dificuldade para sairmos da órbita: precisaríamos estar em uma certa trajetória e velocidade para conseguirmos escapar de sua atração gravitacional.

Uma equipe controlando a missão da terra (ou qualquer outro ponto distante do buraco negro), eles perceberão que cada órbita completa demorará 60 minutos, mas para as pessoas a bordo da nave, de acordo com Hawking no vídeo intitulado “Black hole time travel“, a passagem do tempo irá diminuir de velocidade. O efeito gerado pela influencia gravitacional será tanta que a cada 60 minutos vividos na terra, eles somente experimentarão 8 minutos. Fazendo cálculos simples de regra de três, perceberemos que a cada 24 horas na terra, a noção de tempo na nave será de 3,2 horas. Supondo que eles fiquem em órbita por 5 anos (na nave), quando voltarem pra casa terão se passado 16 anos na terra, tendo viajado assim não somente pelo espaço, como também no tempo. O problema é que essa tentativa seria extremamente perigosa, e não nos levaria a um futuro muito distante.

A outra possibilidade pra se viajar no tempo é a mais clássica (abordada em “De volta para o futuro”) é a velocidade. Mas ao contrário do filme, seria necessário uma velocidade muito superior aos 88 milhas por hora em um DeLorean com um capacitador de fluxo para se fazer uma viagem considerável no tempo. Einstein defendia a ideia de que nada no universo poderia viajar tão rápido quanto a luz – aceita hoje com o valor de 299.792.458 m/s –, definindo assim sua velocidade como um “limite cósmico”. Nada* pode exceder esta velocidade, mas ainda pode chegar muito próximo. A teoria aponta que você viajar a uma velocidade perto da velocidade da luz te levará ao futuro. Poderíamos imaginar um trem imaginário ao redor de todo o globo e usa-lo para que ele se aproxime desta velocidade – se aproximar da velocidade da luz significa fazer o percurso ao redor da terra 7 vezes por segundo, lembrando que ele nunca poderá alcançar realmente a velocidade da luz, de acordo com as leis da física.

O Universo de Stephen Hawking – Ep. 2 Viagem no Tempo

http://www.dailymotion.com/video/xwkjz2_o-universo-de-stephen-hawking-ep-2-viagem-no-tempo-discovery-channel_school#.UVBHmxcyySp

Ao chegar a uma velocidade próxima a da luz, o tempo dentro do trem começará a passar mais devagar que no resto do mundo (assim como quando nos aproximamos do buraco negro). Isto acontece exatamente para proteger esse limite cósmico de velocidade. Um exemplo abordado no vídeo seria de uma criança correndo no interior do trem: dependendo da velocidade que o trem estivesse, ela conseguiria ultrapassar a velocidade da luz, mas isto não ocorre pois a velocidade dentro do trem passará mais devagar (ela poderá correr tão rápido quanto quiser que o tempo dentro da nave sempre irá diminuir para proteger este limite). Os passageiros deste trem, viajando a somente uma semana, estarão 100 anos no futuro. Pena que a construção deste trem seria, no mínimo, improvável e claro, essas duas possibilidades somente permitiriam a viagem para o futuro, em breve postarei algo relacionado a viagem de volta ao passado e buracos de minhoca. (Patrick Pierre – scientiauniversi)

*Já obtivemos resultados de neutrinos que ultrapassaram a velocidade estabelecida pela luz.

Agora a pergunta que poderia acabar com as Viagens no Tempo. Porque não há viajantes do tempo entre nós?

Bem, poderia ser uma desculpa para os que não acreditam que um dia isso seria possível só que nem todos teriam acesso a esta tectonologia. E aqueles que a tivessem claramente trabalhariam para organizações de topo nas quais estariam sendo monitoradas pelos governos. Só que isso não impediria em nada tentarem voltar ou avançar no tempo. O que nos garante que não tivemos viajantes do tempo no decorrer da história? Um pequeno exemplo é o conhecimento avançado de algumas das civilizações antigas nos quais é evidente de que seria possível que tiveram influência externa para tais habilidades. A inclusão de mecanismos sutis a percepção de todos mas que de alguma forma alterou a velocidade do conhecimento humano em determinadas regiões do globo. Ou até mesmo ações de ordem mundial para que o presente sofresse alterações nas quais só poderíamos ver resultados num futuro distante.
Lembrando que são apenas hipóteses. Teorias.
Quem sabe num futuro as viagens no tempo não sejam nada mais que excursões de alunos para aprenderem mais sobre de onde viemos. Estudiosos coletando dados e estimando erros que tivemos para que não erremos no atual presente. Lógico que isso teria enormes regras e uma conscientização total da humanidade naquele período do tempo. Quem não gostaria de estar presente em eventos históricos? Não podemos saber se isso é possível pois são “eventos” e não programamos a história que virá a ocorrer más se a viagem no tempo for possível fica claro que poderemos moldar a história de acordo ao bem querer de quem a controlar.

Viagem no Tempo – Fomos criados por nós mesmos?

De Volta para o Futuro

De Volta para o Futuro

Após quase um ano sem escrever absolutamente nada na minha página, acordei com febre e decidi compartilhar meus pensamentos com relação a Viagem no Tempo. Bem é um tema que normalmente deixa as pessoas com dor de cabeça ou até aquelas que nunca se puseram a entender do assunto se perguntar “Isso só foi possível porque em algum momento ele voltou no tempo”. Este símbolo representa bem o que se trata uma viagem no tempo (∞). Infinito. Vocês já devem ter se perguntado ou argumentado com alguém sobre certas situações em filmes e seriados nas quais os personagem retornam a um tempo num passado e modificam o fluxo temporal (Mudam alguma coisa de lugar, interagem com uma pessoa ou até mesmo modificam algum evento cotidiano) assim implicando no modo como seria num futuro. Pois bem, chegamos ao ponto que eu quero. Sei que pode ser polêmico ou até mesmo irrelevante para algumas pessoas. Más se em algum ponto no futuro víssemos que algo poderia ser melhorado se no momento exato algo fosse diferente? Assim, e se vamos dizer que por volta do ano de 4432 a humanidade (neste momento paralelo que estou abordando) chegasse num ponto onde a tecnologia ultrapassou a barreira do que é ser um humano e entrasse em um colapso no que resultaria no fim (sim, por mais que seja clichê, a nossa vida aqui neste planeta depende apenas de nossas atitudes). Em um determinado momento a Viagem no Tempo já seria possível ou até mesmo o teletransporte, mas estes fossem proibidos de qualquer forma para que evitássemos a criação de modificações no espaço-tempo. Más como chegamos num ponto crítico os governantes do planeta naquele momento decidissem que era hora de tentar a ultima opção que seria justamente modificar o início da humanidade?! 


Não seria uma loucura pensar desta forma. Tentamos desvendar de onde viemos e para onde vamos desde que abrimos nossos olhos. Mesmo que seja indiretamente. O que impediria que nós mesmo tivéssemos nos afastado de nosso sistema original para evitar que a nossa nova realidade alterada pudesse crescer da forma correta evitando o nossos erros futuros. Que as possíveis presenças de UFOS e Aliens no planeta não seja apenas nossa forma evoluída ou alterada devido a mudança das leis da física que aprendemos em outras partes do universo ajudando para que cresçamos da forma como deveria ser?

Aqueles que seguem religiões seguem uma ordem cronológica descrita em seus livros sagrados na qual diz que fomos criados por Deus e devemos seguir o que ele passou a seus principais servos. Correndo de assuntos polêmicos, quero apenas que pensem se isso não poderia ser um modo em que nós (no futuro) não encontramos para que evitemos a nossa própria extinção.

Bem é um assunto hiper complexo e que pede a mente muito, más digo muito aberta mesmo. É apenas uma opinião ou uma teoria que eu possa ter ouvido e que tenha ficado no meu subconsciente e que agora aflorada a minha febre eu tenha resolvido escrever. É um assunto que todos nós deveríamos nos interessar e deixar apenas de olhar o que queremos. Não abordei as leis possíveis para que a viagem no tempo seja possível pois isso deixarei para outra hora.


  

Gravidade entre Mundos

A muito tempo eu sempre me questionei com relação a interação da gravidade em outros planetas ou até mesmo em partes únicas da superfície terrestre. Sempre que abordava algum amigo sobre o assunto logo este era deixado de lado. Até outro dia em um papo descontraído com uma namorada chegamos a esse assunto novamente. Argumentávamos sobre como era possível a gravidade de cada planeta modificar as capacidades do corpo humano. Falamos em super força, velocidade extrema até ao simples fato de nem conseguirmos abrir os olhos devido a variação do valor da gravidade. Após um grande tempo conversando chegamos ao ponto máximo onde debatemos que graças a gravidade o universo pode se formar do modo que o conhecemos hoje. Vide John Carter/1964 (Edgar Rice Burroughs), onde o autor Edgar Rice nos conta as aventuras do humano em Marte (Barsoom). John têm suas habilidades modificadas devido ao fator do formato do corpo do humano e a gravidade de Marte (Barsoom, 3,69 m/s². A da Terra é 9,80 m/s²). Assim, podemos por lógica dizer que um humano nascido/criado em uma gravidade superior assim que se possível transportado para uma gravidade inferior teria suas capacidades corporais elevadas. A maioria vai lembrar do Vegeta treinando na máquina criada pela Bulma (Dragon Ball Z, 400 m/s² era a gravidade do seu treinamento).

    Então, você me diga o que mais seria possível em uma gravidade alterada?

por hansclamp Postado em Física

Efeito Doppler

Sheldon vestido de Efeito Doppler

Efeito Doppler é uma característica observada nas ondas quando emitidas ou refletidas por um objeto que está em movimento com relação ao observador. Foi-lhe atribuído este nome em homenagem a Johann Christian Andreas Doppler, que o descreveu teoricamente pela primeira vez em1842. A primeira comprovaçao foi obtida pelo cientista alemão Christoph B. Ballot, em 1845, numa experiência com ondas sonoras.

Em ondas eletromagnéticas, este mesmo fenômeno foi descoberto de maneira independente, em 1848, pelo francês Hippolyte Fizeau. Por este motivo, o efeito Doppler também é chamado efeito Doppler-Fizeau.

Características

Ondas emitidas por objetos estáticos se propagam em todas as direções de maneira uniforme. Seu comprimento de onda é λ=2π/β, sendo β uma constante que define o meio pelo qual a onda de propaga, chamada constante de fase. A velocidade de fase da onda é dada por Vf = λf, logo \lambda = \frac{V_f}{f}. Quando um objeto está em movimento, as ondas emitidas estão em pontos diferentes ao longo da trajetória. Isto implica que cada onda emitida está mais próxima da onda anteriormente emitida, logo seu comprimento de onda tem um valor diferente, dependendo do ponto onde se observe a onda. O comprimento de onda observado é maior ou menor conforme sua fonte se afaste ou se aproxime do observador. Se o comprimento de onda variar, a sua frequência varia também.

No caso de aproximação, a frequência aparente da onda recebida pelo observador fica maior que a frequência emitida. Ao contrário, no caso de afastamento, a frequência aparente diminui.

Um exemplo: ao atirar uma pedra em um lago, se olharmos por cima veremos que as ondas estão igualmente espaçadas. Quando uma pedra é atirada de modo a quicar na superfície da água, observamos que à frente da pedra a distância entre as ondas é menor. Se o comprimento de onda diminui, a frequência aumenta. Quando o objeto se afasta, a distância entre as ondas é maior, o que implica que a frequência é menor.

Outro exemplo típico é o caso de uma ambulância com sirene ligada que passe por um observador. Ao se aproximar, o som é mais agudo e ao se afastar, o som é mais grave. De modo análogo, ao trafegar em uma estrada, o ruído do motor de um automóvel que vem em sentido contrário apresenta-se mais agudo enquanto ele se aproxima e mais grave a partir do momento em que se afasta (após cruzar com o observador).

Para a luz, este fenómeno é observável quando a fonte e o observador se afastam ou se aproximam com grande velocidade relativa. Neste caso, o espectro da luz recebida apresenta desvio para o vermelho (quando se afastam) e desvio para o violeta (quando se aproximam).

Medida de velocidades

O efeito Doppler permite medir a velocidade de objectos através da reflexão de ondas emitidas pelo próprio equipamento de medida, que podem ser radares, baseados emradiofrequência, ou lasers, que utilizam frequências luminosas. É muito utilizado para medir a velocidade de automóveis, aviões, bolas de tênis e qualquer outro objeto que cause reflexão, como, na Mecânica dos fluidos e na Hidráulica, partículas sólidas dentro de um fluido em escoamento.

Basicamente um radar detecta a posição e velocidade de um objeto transmitindo uma onda e observando o eco. Um radar de pulso emite uma rajada (Burst) curta de energia. Depois o receptor é ligado para “escutar” o eco. O transmissor do radar pode operar melhor se uma onda for emitida continuamente, desde que haja a possibilidade de separar o sinal transmitido do eco no receptor. A potencia do eco é da ordem de 10 − 18 vezes menor que o sinal transmitido, ou até menor. O desvio de frequência resultante de objetos em movimento é conhecido como “Frequência de desvio Doppler” (FD). Se há uma distância X entre o objeto e o radar, o número total de comprimentos de onda existentes entre o sinal do radar e do objeto é dado por 2R/ λ. Já que uma onda corresponde a 2π radianos, a excursão angular entre o caminho de ida e volta do objeto é \frac{4 \pi R}{\lambda} = \phi. Para objetos em movimento a distância muda sempre, o que implica que Φ também varia. Uma mudança de Φ no tempo implica mudança de frequência. A frequência de desvio Doppler é a diferença entre a frequência da onda transmitida (Ft) e a frequência recebida no receptor (Fr): Ft = |Ft-Fr| ω = 2πFd

Algumas Aplicações
  • Em astronomia, permite a medida da velocidade relativa das estrelas e outros objetos celestes luminosos em relação à Terra. Estas medidas permitiram aos astrónomos concluir que o universo está em expansão, pois quanto maior a distância desses objetos, maior o desvio para o vermelho observado. O Efeito Doppler para ondas eletromagnéticas tem sido de grande uso em astronomia e resulta em desvio para o vermelho ou azul.
  • Na medicina, um ecocardiograma utiliza este efeito para medir a direção e velocidade do fluxo sanguíneo ou do tecido cardíaco. O ultra-som Doppler é uma forma especial do ultra-som, útil na avaliação do fluxo sanguíneo do útero e vasos fetais. Pode ser mostrado de várias formas: com som audível, com espectro de cores dentro do vaso ou na forma de gráficos que permitem a mensuração na velocidade sanguínea nos tecidos normais.
  • O efeito Doppler é de extrema importância em comunicações a partir de objetos em rápido movimento, como no caso dos satélites.
  • A Fórmula do efeito Doppler é dada por: F_o = F_f  \frac{V \pm V_o}{ V \mp V_f}
por hansclamp Postado em Física